Ana Savoy: sua missão é transformar

Ana Savoy, 50 anos e 25 de profissão, já certificou mais de 4.000 profissionais micropigmentadores em todo o Brasil, capacitando-os de forma segura para que enfrentem o mercado de trabalho com confiança, segurança e sabedoria. Veja abaixo a entrevista da Revista Autoestima com essa importante profissional.

 

Revista – O que levou a escolher essa área como profissão?

Ana Savoy – Na realidade eu nunca me imaginei micropigmentadora, mas fui em busca de aprender a técnica de remoção de tintas para tirar a maquiagem definitiva que minha mãe tinha feito e se arrependido por ser grossa e escura demais. O que lhe causava desconforto.

Em 1997, quando fui em busca desse curso de remoção, era obrigatório passar por todos os protocolos de micropigmentação, do iniciante em sobrancelhas, passando por olhos, lábios, capilar , paramédica e por último a remoção. Eles queriam que entendêssemos que para arrumar algo, tínhamos que saber fazer ou ao menos entender o que estávamos tentando tirar.

Com o tempo fui me aprofundando, me especializando, colhendo resultados e hoje me tornei referência por amor a esta Arte e aos benefícios que ela traz.

 

Revista – Como você vê o mercado da micropigmentação?

Ana Savoy –  Via como um mercado promissor, uma profissão que pode entregar mais do que beleza e bem-estar, podemos recuperar autoimagem e devolver a autoestima. Só que pela falta de regulamentação o mercado foi invadido por picaretas querendo levar vantagem, vendendo ilusões, cursos milagrosos de todas a técnicas em 2 ou 3 dias, prometendo ao futuro profissional virar um milionário com o novo trabalho, cursos de formação online onde o professor não observa os treinos do aluno, não ouve a agulha batendo na mesa caso a mão seja pesada ou nem encostando se leve demais.

Vejo grandes artistas fazendo trabalhos incríveis, porém sem conhecer os materiais que usam, se frustrando depois pelos resultados a longo prazo e abandonando a área, achando que não nasceu para aquilo, ou até mesmo se prejudicando por conta de processos por vender um procedimento que será transformado em outro no futuro. Isso é fruto da falta de estudo, do imediatismo.

Por outro lado, vejo muitos artistas e formadores ainda dispostos a ensinar, a abrir os olhos desses novos profissionais, remando contra a maré, mas até quando vão aguentar. Eu sou uma delas, risos.

 

 

Revista – O que você considera seu diferencial?

Ana Savoy –  Nos PROCEDIMENTOS, sou muito procurada pela suavidade da minha arte, pela busca e entrega da naturalidade e realismo, pelos incansáveis treinos e estudo contínuo, o que me fez desenvolver tintas, lâminas, agulhas e técnicas para que esse realismo que busco seja entregue ao meu cliente.

 

Já nos CURSOS que ministro, vejo como diferencial a minha verdade, a forma de ensinar o profissional que me busca a trabalhar com qualquer ferramenta ou tinta, mostrando-lhes quais são as formas de aplicação e os resultados a longo prazo. O que fazer quando erram, como escolher as cores para cada fototipo. Eu nunca pensei em ter produtos e sempre me orgulhei de ser livre de amarras e marcas que me comprassem. Hoje tenho a minha por suprirem as necessidades das respostas de resultados que buscava e não tinha no Brasil. Mas como tatuadora e micropigmentadora que sou, trabalho com o que derem em minha mão e é isso que quero para os meus alunos, que sejam especialistas e façam suas próprias escolhas.

 

Revista: O que sua técnica proporciona as pessoas?

Ana Savoy – Do nariz para cima como uso tintas inorgânicas AS PIGMENTS, tintas que desbotam gradativamente até sumir sem degradar para tons indesejados, proporciono a vantagem de, a cada novo trabalho poder escolher a técnica aplicada, deixar que minha cliente opte por querer fios ou shadow sem ter que impor uma única técnica a ela, posso mudar o design, Podemos colocar as tendências do momento, posso me esmerar como profissional e saber que minha cliente estará sempre pronta a receber meus procedimentos melhorados, é incrível! E, se caso ela resolva que não quer mais ter a micropigmentação, é só esperar mais um tempo que a tinta some sozinha.

Já do nariz para baixo, especificamente nos casos de micro labial, aréolas e micro tattoo, utilizo tintas orgânicas, pelo fácil poder de implantação e por não correr o risco de degradação para tons indesejados, o que é comum nas extremidades. Nesses casos com as técnicas de tatuagem cosmética, trabalho de forma mais superficial, proporcionando um efeito de pintura com transparência o que resulta em um trabalho bem natural, porem definitivo, mas que caso seja necessário um retoque ou uma remoção está tranquilo para faze-los, agora a micro tattoo é tatuagem mesmo, esse nome é apenas porque são pequenas e delicadas.

 

Revista – Qual a novidade do mercado dentro da sua área?

Ana Savoy – O mercado da micropigmentação traz a cada dia uma novidade, que devem ser avaliadas com muita atenção pois na maioria das vezes, é uma nomenclatura nova para um existente procedimento.

As técnicas avançam no que diz respeito a efeitos que são proporcionados por agulhas de configurações diferentes, técnicas que trago da área da tatuagem para a micro que só conhecem 3 tipos de agulhas e o indutor manual com 2 tipos de lamina. Conhecer técnicas que facilitam e agilizam o nosso trabalho são novidade, porém, para a execução dos mesmos procedimentos ,Sobrancelhas, olhos, lábios, aréolas, cicatrizes, capilar entre outros.

 

Revista – O que você acha que o profissional da micropigmentação deve fazer para melhorar como profissional?

Ana Savoy – Em primeiro lugar, prezar mais pela BIOSSEGURANÇA. Não só pela segurança do seu cliente, mas pela sua própria saúde.

Trabalhar com dermógrafos encapados e indutores descartáveis, luvas, máscaras, embalar reutilizáveis com plástico filme e usar muito álcool 70º.

Depois disso, podemos falar em qualidade de trabalho. Parar de usar filtro e mostrar ao cliente o que ele vai entregar e não algo fantasioso que vai prejudicá-lo no futuro. Não ficar tirando dúvidas e trocando figurinha em grupos do face ou whats, se você fez um curso, quem tem que te dar suporte é o SEU PROFESSOR. Sempre pense que se alguém faz, alguém consegue, VOCÊ TAMBÉM CONSEGUE. A diferença entre uma pessoa e outra é a aptidão, nem todo mundo vai ser bom em sobrancelhas… É só partir para os lábios ou vice-versa. Se não for bom em nenhum, vai para o capilar, se não gostar do capilar vem para a paramédica. Mas independente de qual seja sua escolha e paixão o treino é fundamental, afinal, qual é o “CAMPEÃO” que conhecemos, seja lá do que for, que não treine incansavelmente todo SANTO DIA?

 

Revista – O que você traz de benefício para quem faz o procedimento?

Ana Savoy – O reencontro mágico com o espelho. Faço minhas artes com a alma e hoje entendo que minha missão é transformar.

Quando vejo lágrimas de alegria por devolver fios de sobrancelhas que foram derrubados pela quimioterapia ou por conseguir reconstruir um complexo mamilo areolar, seja de uma paciente oncológica que fez uma mastectomia ou de outra paciente que foi em busca de uma mastopexia, por um desejo de melhora estética e passou por uma intercorrência… Pensando aqui, acho que a beneficiada sou eu. Deus me deu um dom e eu consegui colocá-lo em prática, entendendo a plenitude de tudo isso.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.